Países da União Europeia aprovam nova e polêmica lei de direitos autorais

Artigos e Matérias

Mais Artigos e Matérias

Indicadores Econômicos

Moedas - 22/11/2019 11:26:22
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,177
  • 4,178
  • Paralelo
  • 4,150
  • 4,390
  • Turismo
  • 4,140
  • 4,400
  • Euro
  • 4,617
  • 4,621
  • Iene
  • 0,039
  • 0,039
  • Franco
  • 4,200
  • 4,199
  • Libra
  • 5,374
  • 5,376
  • Ouro
  • 198,420
  •  
Mensal - 23/09/2019
  • Índices
  • Jul
  • Ago
  • Inpc/Ibge
  • 0,10
  • 0,12
  • Ipc/Fipe
  • 0,14
  • 0,33
  • Ipc/Fgv
  • 0,31
  • 0,17
  • Igp-m/Fgv
  • 0,40
  • -0,67
  • Igp-di/Fgv
  • -0,01
  • -0,51
  • Selic
  • 0,53
  • 0,49
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -
Mais Indicadores Econômicos

Enquete

O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Após aprovação do Parlamento Europeu em março, a nova e polêmica lei de direitos autorais para a internet foi aprovada também pelo conselho de países que fazem parte da União Europeia. Com a aprovação, todos estados que compõem o bloco terão dois anos para adaptar as suas legislações locais à nova lei regional.

A chamada Diretiva de Direitos Autorais (Copyright Directive) recebeu votos a favor de 19 países, incluindo Alemanha e França, enquanto nações como Itália, Holanda, Polônia, Finlândia e Suécia votaram de forma contrária à aprovação — Bélgica, Estônia e Eslovênia se abstiveram.

O presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker comemorou a aprovação e afirmou que esta era a “peça que faltava” para complementar o mercado digital europeu.

“Com o acordo de hoje, estamos adaptando as leis de direitos autorais para a era digital”, afirmou. “A Europa agora terá regras claras que garantem remuneração justa aos criadores, direitos sólidos aos usuários e responsabilidade às plataformas. Quando se trata de complementar o mercado digital da Europa, a reforma de direitos autorais era a peça que faltava.”

Controvérsia
A nova legislação promete modernizar as regras de direitos autorais no continente europeu, mas os seus críticos apontam outros vieses. Com a nova lei, sites como Google e Facebook precisarão criar um filtro para monitorar todas as suas plataformas para evitar que conteúdos que violam direitos autorais sejam enviados pelos usuários — ainda mais do que já fazem atualmente.

A Google, por exemplo, terá que entrar em acordo (possivelmente financeiro) com empresas e sites de notícias para poder exibir trechos de suas publicações nos resultados das pesquisas feitas no buscador — e o mesmo valerá em relação a músicos, autores, jornalistas e todos os demais profissionais que publiquem na rede.

Segundo a Reuters, a Gigante da Web afirma que a nova lei deve prejudicar as economias digital e criativa da Europa, enquanto a Polônia classificou a legislação como um “passo atrás”, visto que o filtro de conteúdo aprovado pode servir de base para a censura. Outros críticos afirmam, ainda, que as regras aprovadas agora devem atingir mais as pequenas empresas de internet, não as gigantes.

A nova lei
Proposta em 2016, a nova lei foi alvo de críticas deste então, sendo constantemente atacada por empresas e organizações da internet e ativistas. No ano passado e neste ano, por exemplo, a Wikipédia saiu do ar e fez intensa campanha contra a sua aprovação, assim como plataformas como Reddit e PornHub também manifestaram a sua contrariedade.

O TecMundo produziu um vídeo especial falando sobre o Artigo 13 da Diretiva de Direitos Autorais da União Europeia, um dos mais polêmicos do texto e que determina a criação do tal filtro de conteúdo para impedir a publicação de materiais protegidos por direitos autorais sem autorização.

Fonte: Tecmundo | 16/04/2019

Localização

Fale Conosco

Avenida Manoel Conceição, 126 – Sala 03
Piracicaba, SP - CEP 13405-230
19 3035-4097

policon@policonbrasil.com.br